segunda-feira, 24 de junho de 2013

Enquanto esse gigante estiver acordado, eu prefiro dormir! (parte 1)

Assisto triste os acontecimentos dos últimos dias! Sim, triste!

Passei por várias fases nesse momento da nossa história. No começo, vi de longe as manifestações; vi uma mídia que era contra o povo e até “aplaudiu” a ação da Polícia de Choque em nossa cidade (São Paulo) após as manifestações de 13 de junho. Isso pela manhã do dia 14! Mas após as postagens dos cidadãos que mostravam a realidade em seus vídeos e fotos de celulares postados nas redes sociais e alguns jornalistas feridos, as edições da tarde dos jornais televisivos e online mudaram! 

E a partir de então, a mídia mudou! 
"Vagabundos e desocupados" passaram a ser pessoas extremamente politizadas e donas de verdades absolutas e, qualquer arruaça que acontecesse, certamente, era fruto de  "vândalos". Percebam as diferenças dos predicativos.




As manifestações do dia 17 me emocionaram.  No entanto, no dia seguinte (18) comecei a enxergar de outra forma esse movimento, ou diria, movimentação. Após um dia de protestos pacíficos em nossa cidade, no dia seguinte, um grupo – não importa se pequeno – destruiu o Prédio da Prefeitura, outros prédios públicos, invadiram lojas e instaurou o medo.

Na manhã no dia 19, a mídia noticiava a violência em São Paulo e em outras capitais, mas sempre antecedendo com a informação “um pequeno grupo de vândalos”. Sim, ainda bem, pois se todos que estavam protestando decidissem pela violência, não seria uma manifestação, mas uma guerrilha.

Sei que os antipartidários apontarão os seus dedos cheios de conceitos dogmáticos para mim, mas um movimento sem liderança é como uma boiada sem boiadeiro. Sim, o povo está cansado de muita coisa e os centavos a mais nas tarifas dos transportes públicos passaram a ser o menor a ser reivindicado. Entendo perfeitamente o ocorrido, mas não vi nenhuma proposta para os governantes, apenas revindicações.

Muitas bandeiras começavam a ser levantadas e a onda da vez era “sem partidos”. O MPL não se dizia antipartidário, mas apartidário. Qual é a diferença?

Antipartidário - Que é hostil aos partidos políticos em geral, às suas normas e às suas práticas: comportamento antipartidário; Que apresenta conduta contrária a um determinado partido.

Apartidário - Que não se vincula ou subordina a um partido político.

Em um movimento apartidário não há SUBORDINAÇÃO a um partido, mas à causa. Mas isso não significa que os simpatizantes sejam antipartidários e muitos deles seguem sim um partido. 

Em São Paulo, os governos estaduais e municipais cederam e diminuíram as tarifas, assim como nas demais cidades. Motivo para uma nova manifestação, mas dessa vez -- segundo o MPL, para comemorar. Mas nesse dia, os partidários que estavam apoiando o movimento  foram expulsos das manifestações e hostilizados. Ou melhor, qualquer bandeira vermelha foi hostilizada e atribuída apenas ao partido do Governo Federal.


Resultado: o MPL se retirou das manifestações. Prefiro não abordar os motivos reais da retirada do MPL, não cabe a mim! Mas posso assegurar que o buraco foi mais embaixo e aquela história anunciada não passou de blablabla. Mas vamos deixar pra lá.

As manifestações continuaram. Os pedidos eram muitos e sem um foco. De repente, na Internet, o tal grupo Anonymous decide dar as cartas nas manifestações nacionais e apresenta cinco revindicações.  O vídeo logo se tornou um viral e TODOS começaram a defender as cinco causas. Um membro do grupo apareceu usando a máscara do personagem de V de Vingança e ganhou forças nas manifestações seguintes, além de novas “cartolinas com as cinco revindicações”, muitos manifestantes passaram a usar a “fantasia V”.

Os protestos se multiplicaram e cerca de 2,5 mi de pessoas foram às ruas. A maioria pacificamente, mas um grupo não estava pra brincadeira. Ápice em Brasília: invasão do Itamaraty.

Os posts das redes sociais eram os mais diversos: mais saúde, mais educação, menos corrupção, mas sempre tinha um grande vilão: o PT e o pedido agora era de Impeachment da Presidente Dilma Rousseff. De repente, o PT virou o grande mal do Brasil. Se eu fosse um “gigante que estivesse adormecido” e de repente acordasse nesse momento - assim meio de supetão --, eu também acreditaria que o PT era o inventor da corrupção e da má-gestão. 


Ainda bem que estou acordada há mais tempo!


Havia um novo pedido: que a presidente se pronunciasse.

Ela o fez!

E os comentários foram os mais absurdos possíveis. Até da cor da roupa da presidente comentaram. Li que ela estava de amarelo por desespero e medo.

Agora eu gostaria de perguntar às pessoas que fizeram esse comentário fútil, o que elas falariam se ela tivesse usado vermelho? Ou azul? Ou branco?

Antes de responderem: pensem, por favor. Posso garantir, não dói!

Tentei me manifestar no meu perfil da rede social. Fui massacrada. Retirei-me. Mas um episódio me deixou bastante triste e decidi voltar:

Há um boteco na esquina da minha rua. Da janela do meu quarto eu posso ver o bar. Em todos os jogos, independentemente de time, o dono liga a TV, põe as mesinhas pra fora e os homens se reúnem para ver o jogo, conversar sobre futebol e até sobre política, e comemorar o gol de seus times.

Mas nesse sábado foi diferente! A seleção brasileira enfrentava uma antiga rival, a Seleção Italiana, e os brasileiros -- que tanto amam o futebol -- se calaram.

Havia meia dúzia de gatos no bar, a TV estava no jogo, mas com o volume baixo.
Eu, como nunca fui fanática por futebol, fui comprar pão e estava passando em frente ao bar quando o Neymar fez o seu "golaço" (até eu que não entendo de futebol achei o gol bonito). 

De repente, os gatos pingados ameaçaram a gritar gol e a comemorar, quando o dono do boteco disse: 

"Pessoal, não comemora não; vá que um manifestante ouve e depois vai achar que eu sou contra as manifestações e vem quebrar o meu bar". 

E não era ironia não. O dono do boteco estava realmente com medo de perder o seu patrimônio, assim como muitos tiveram seus comércios invadidos e roubados.

No entanto, chego a uma triste constatação após todos esses episódios: a maioria não sabe concretamente como se governa, o que é preciso para se governar; e o pior: acreditam no discurso de um grupo oportunista que sabem, mas como são contra o PT (e é o partido mesmo), confundem uma população que não conhece esses trâmites.

Li um comentário em um dos posts que considerei muito inteligente. O autor dizia: "Quem governa na nossa democracia é um conjunto de três poderes, sendo que boa parte do enredo se desenrola na câmara. O Legislativo não faz nada além de trocas. Não apoia, mas sim troca. Atacar a Presidente simplesmente por atacar, como é de costume, não só a enfraquece como enfraquece a própria democracia. Que as pessoas não caiam nessa falácia do ataque".

Mas caíram na falácia e a presidente não pode se pronunciar que é severamente criticada.

Após o seu pronunciamento, a presidente cumpriu uma das metas e se reuniu com governadores e prefeitos; o resultado da reunião foi amplamente divulgado pela mídia.  Li coisas absurdas. Entre elas, que plebiscito é uma ação antidemocrática e outras que prefiro nem mencionar, porque não quero propagar a falta de informação e a confusão conceitual de muitos.

O que sei é que tudo que a presidente falar será alvo de crítica, sem nenhuma análise. Embora o povo bata no peito e diga que quer uma democracia, há algo incoerente no ar – por desinformação mesmo e porque o "grande gigante" se transformou em uma "massa de manobra". E por total falta de conhecimento, o "gigante abestalhado" desejava que a presidente impusessem as decisões como fato consumado, ou então, a geração Harry Potter sonhava que a presidente colocasse uma capa, tirasse sua farinha do bolso e com um simples "abracadabra" resolvesse todas as questões que estão aí desde 1500; não foram resolvidas com a Proclamação da República. Não foram resolvidas com os diferentes golpes que o Brasil passou e, certamente, nem com a chamada democracia vigente. Ou seja, é preciso ser Harry Potter mesmo!


Até li que como uma "ex-guerrilheira", ela deveria ser mais dura. Posso estar errada, mas  se ela fosse realmente dura e trouxesse "Atos Institucionais" fechados (leiam entre aspas ok?), isso não seria um ato democrático, ou seria?

Leio perguntas como: “por que a presidente não manda prender os mensaleiros?”.

As pessoas nem sabem que o Judiciário que tem esse poder; o Poder Executivo não tem esse poder.


Acho que os apaixonados pelo "Candidato do Povo" (isso está me parecendo a história da Princesa do Povo) deveriam cobrar dele essa atitude de "macho". Mas o que não conseguem perceber, que cão que muito ladra, não morde, ou tem sua coleirinha bem amarradinha em algum poste não apropriado.



Não vi em nenhuma mídia "séria" (leia aqui entre aspas também), o fato do "Candidato do Povo" ter usado 90 mil reais do dinheiro público para reformar o seu banheiro (clique aqui). A realidade é que é inconveniente falar sobre essa "pequena verba" desviada. Talvez porque o "Candidato do Povo" seja tão impoluto que suas fezes devem ser depositadas em "potes de ouro".


Tenho outra dúvida: será que essa mídia "séria e imparcial" (hahahahaha) fará uma matéria sobre as perdas financeiras dos comerciantes - de pequenos a grandes - durante essas manifestações? Ou das perdas das indústrias? Ou falar sobre a queda da bolsa?

Fala-se em “gigante que acordou”. Recomendo o texto "O gigante foi criado a leite com pera e Ovomaltine na geladeira" para esses, mas acredito que a maioria não vai entender, afinal, estava dormindo há muito tempo.

Esse momento deveria ser de união e não de acusação. Mas estamos em pré-ano eleitoral e, claro, quem também deseja mamar nas tetas do governo - novamente - não perderá a oportunidade de se firmar.

Marx, "o barbudo comunista que comia criancinhas", dizia que a história se repete. Pois bem, eu já vi esse cenário em outros tempos; na realidade, eu não o vivi, mas como sempre fui realmente apaixonada pela história do Brasil, li muito sobre esses momentos.

Por isso, enquanto esse “gigante” estiver acordado, eu prefiro estar dormindo!


No entanto, quando os oportunistas voltarem ao poder, eu acordarei para cobrar deles posições e "culhões" para que exterminem ações que chamam - HOJE - de "populistas" e "eleitoreiras", como o Bolsa Família, o Prouni, Minha casa minha vida, Farmácia Popular, Luz para todos, Fome zero, Primeiro emprego, e muitos outros. 



Atenção! Mas não vale mudar o nome da ação!






Nenhum comentário: